1 – Não subestime o seu tamanho

O atendimento ao paciente vem sofrendo do mal da mediocridade faz tempo e nivelado por baixo. O primeiro grande erro é achar que não têm tamanho para se preocupar ou investir na melhoria do atendimento. A excelência no atendimento é um diferencial importante. Uma pequena clínica ou consultório, pela simplicidade de sua estrutura, tem condições de explorar este diferencial de uma forma extraordinária contra seus concorrentes.


2 – Não ignore o potencial da tecnologia

A preocupação com os custos do atendimento, e não com a qualidade, levam às clínicas maiores a investirem em tecnologias prioritariamente para minimizar seus custos. Já pequenas clínicas e consultórios nem olham para soluções de tecnologia, pois as acham caras demais e acabam ignorando aquelas que poderiam melhorar a qualidade do atendimento, sem impactos significativos em seus custos.

Este é o segundo erro. A tecnologia é decisiva para melhorar a qualidade do seu atendimento a custos acessíveis. Com o acesso na nuvem (cloud computing), estas tecnologias ficam cada vez mais perto das clínicas e consultórios com menor capacidade de investimento. Ignorar o potencial da tecnologia pode ser um erro grave que vai colocá-lo atrás de seus concorrentes.


3 – Não confunda simpatia com bom atendimento

O terceiro grande erro é confundir simpatia e educação com qualidade do atendimento. É claro que estes fatores são fundamentais, porém, não suficientes. É preciso treinar seus atendentes para que entendam que resolver as questões do paciente é o fator mais importante. É importante esclarecer o problema, sem ironia, e tratar o paciente com educação e respeito.

Fonte: Exame

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>